Animais Por Espaço De Boca De Comedouro Em Alimentação Seco/Úmida

Share:

Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp

A questão de quantos suínos por espaço de comedouro deve-se alocar para ajudar a alcançar o melhor desempenho de produção, é um dos tópicos mais comuns de discussão com produtores que estão mudando seu sistema de produção em comedouros secos convencionais, para comedouros com bandeja ajustável seco/úmidos. Felizmente, um novo estudo foi publicado recentemente que fornece informações sobre exatamente como o número de animais por comedouro afeta o desempenho.  

Esta questão tem sido particularmente confusa porque pesquisas anteriores sobre comedouros secos produziram resultados variáveis sobre o número de animais por espaço de comedouro. Talvez isso se deva à variedade de fabricantes e modelos de comedouros secos e, em particular, à variabilidade na largura dos espaços de boca dos comedouros. Normalmente, vemos espaços de 30,5 cm ou 38 cm. Devido a essa variabilidade, o padrão da indústria foi expresso em uma faixa de 3,2 cm linear por animal para animais recém-desmamados, fase de creche, chegando a 5 cm linear por animal em fase de terminação. Assim, dependendo da largura do espaço do comedouro seco, o número de animais por espaço pode variar entre 10-12 na fase de creche chegando até 7-10 animais em fase de terminação. 

A fim de responder a esta pergunta em comedouros seco/úmidos, um estudo foi publicado em 2018 pela Oxford University Press em nome da Sociedade Americana de Ciência Animal intitulado “Efeitos dos comedouros seco/úmidos e densidade de estoque de baias no desempenho de suínos em recria/terminação” (Wastell, Garbossa, Schinckel). As baias dos experimentos tinham igual número de machos e fêmeas com 20, 26 e 32 animais por baia, e com 10, 13 e 16 animais por espaço/boca de comedouro, respectivamente. Cada baia tinha um comedouro seco/úmido de lado duplo Crystal Spring™ com um bebedouro em cada espaço de comedouro, e espaços médios de boca de 37,5 cm. No estudo foi utilizado um grupo de 3182 animais, e três repetições consecutivas de grupos de recria-terminação. 

Os resultados mostraram claramente que usar um comedouro seco/úmido requer significativamente menos espaço linear de comedouro por animal, comparado a comedouros secos, para resultados ainda melhores. Entre as descobertas notáveis nos estudos, ressaltamos:

  1. Ao aumentar o número de animais por espaço de comedouro (10, 13 e 16), o peso corporal final (PC) foi reduzido – 129,7, 129,4 e 128,4 respectivamente – embora o GPD tenha apresentado uma relação quadrática com médias de 1,03, 1,01 e 1,01. 

  2. O consumo médio diário de ração (CMD) teve uma relação quadrática com o número de suínos por espaço de comedouro, tendo valores médios de 2,62, 2,52 e 2,55 kg por dia para os 10, 13, 16 suínos/espaço, respectivamente. 

  3. A conversão alimentar (CA) também teve uma relação quadrática com médias de 0,395, 0,404 e 0,400, respectivamente. Os animais em baias de 13 animais/espaço comeram cerca de 10kg a menos de ração em comparação com os animais em baias de 10 animais/espaço, no entanto, eles apresentaram apenas 0,3 kg a menos de peso corporal (PC). Portanto, a ração consumida teve um efeito maior na lucratividade, pois essa diferença no PC representa menos de meio dia de ganho de peso. 

  4. O ensaio também mostrou que os suínos com maior espaço de comedouro tiveram melhor CMD, porém esse aumento pode estar associado a um aumento no desperdício de ração, uma vez que nos comedouros com espaço mais restrito os suínos tiveram uma melhor eficiência alimentar geral. 

  5. Finalmente, o ensaio mostrou que o melhor equilíbrio de desempenho entre GPD e CA ocorreu nas baias de 13 animais/espaço, traduzido em comedouros com 2,87cm por animal. 

Outras pesquisas suportam os achados deste estudo, mostrando que comedouros seco/úmidos têm a capacidade de alojar mais animais por espaço de comedouro do que um comedouro seco (GONYOU et. al, 2000), uma vez que os animais alimentados neles têm visitas mais curtas ao comedouro e taxas de ingestão mais altas (AVEROS et. al, 2012) resultando em maior CMD e GPD (GONYOU et. al, 2000). 

A partir destes dados pode-se concluir que os espaços de comedouros lineares por animais necessários em comedouros seco/úmidos, é de cerca de 60% menor do que o necessário em um comedouro seco. Ao definir o comprimento de seu novo comedouro seco/úmido, não assuma que ele deva ter o mesmo comprimento do comedouro seco que foi retirado do galpão, apenas porque há um espaço aberto nas baias. Este erro certamente causara impactos negativos em seus resultados!